Retenção na fonte trabalhadores independentes

retenção na fonte trabalhadores independentes

Quais são as taxas de retenção na fonte aplicáveis aos trabalhadores independentes?

Estas são as taxas de retenção na fonte aplicáveis aos trabalhadores independentes (art. 101.º do CIRS): 25% para os rendimentos previstos na tabela de atividades profissionais prevista no artigo 151.º do CIRS, como médicos, advogados ou arquitetos.

Quem está dispensado de fazer retenção na fonte de IRS?

Os trabalhadores independentes também são alvo de retenção na fonte de IRS. Conheça as taxas aplicáveis, saiba quem está dispensado de fazer retenção na fonte e qual o valor do mínimo de existência aplicável aos recibos verdes.

Quais são as percentagens possíveis de retenção na fonte?

No total e de acordo com o artigo 101º do CIRS, há quatro percentagens possíveis de retenção na fonte: 25% para atividades profissionais que constem na lista do artigo 151º do CIRS;

Como funciona a retenção na fonte?

Ou seja, a retenção na fonte nada mais é do que uma forma de pagamento adiantado do IRS ao longo do ano. Quem é trabalhador independente sujeita-se a uma retenção na fonte de no máximo 25% ao ano. Há também quem esteja dispensado de fazer retenção. Saiba qual é o seu caso. Quais são as taxas para 2019 e a quem se destinam?

Como é feita a retenção na fonte dos rendimentos dos trabalhadores independentes?

A retenção na fonte dos rendimentos dos trabalhadores independentes ( categoria B) deve ser efetuada no momento do respetivo pagamento ou da colocação à disposição. Contudo, os rendimentos obtidos pelos trabalhadores independentes nem sempre estão sujeitos a retenção na fonte. Às vezes, só estão sujeitos parcialmente.

Quando as taxas de retenção na fonte foram atualizadas?

As taxas de retenção na fonte foram atualizadas em 2022. Veja se as novas tabelas trazem boas notícias para o seu bolso. Se tem rendimentos de trabalho ou de pensões, já deve conhecer o termo retenção na fonte.

Qual é a diferença entre a taxa de retenção na fonte e o escalão do IRS?

No caso dos pensionistas, apenas se registou uma alteração ao escalão mais baixo. Apesar de serem confundidos com frequência, taxa de retenção na fonte e escalão do IRS não são a mesma coisa. No entanto, estão interligados.

O que é a taxa de retenção do imposto de renda?

No fundo, é como se estivesse a pagar o IRS em prestações. Todos os meses o Estado fica com uma parte do seu salário, para que, quando entregar a declaração, não tenha de pagar nem de receber reembolso. A ideia tem sido aproximar, o mais possível, a taxa de retenção ao que deve, efetivamente, descontar para o IRS.

Quais são as taxas de retenção na fonte?

1.º - Rendimentos prediais (cat.F) – Não está sujeito a retenção na fonte (porque não se ultrapassaram os 10.000€ nesta categoria); 2.º - Serviços de consultadoria (cat.B) – Está sujeito a retenção na fonte à taxa de 25% (foram ultrapassados os 10.000€ nesta categoria).

Quais os requisitos fiscais que obrigam a retenção na fonte?

Há requisitos fiscais que obrigam à retenção na fonte. Depende apenas dos seus rendimentos estarem sujeitos ou não a este regime. Caso se aplique a retenção e não a faça, pode ser punido com uma multa de 375€ a 3750€ (para pessoas singulares) de acordo com n.º 2 do Art.º125 do RGIT.

Quais são as tabelas de retenção na fonte?

Os trabalhadores dependentes e os pensionistas já podem, por isso, calcular quanto vão ter de descontar de IRS todos os meses, no próximo ano. As tabelas de retenção na fonte estão relacionadas com a cobrança do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS).

Como funciona a isenção de retenção na fonte?

A verdade é que a isenção de retenção na fonte não é uma isenção de pagamento do IRS. O imposto ser-lhe-á cobrado na mesma, só que, em vez de o ser mensalmente, trimestralmente ou semestralmente, vai ser cobrado todo de uma vez no final do ano.

Postagens relacionadas: